Translate

segunda-feira, 30 de julho de 2012

Hábitos Talares do clero secular


Autor: Kairo Rosa Neves de Oliveira

Embora as vestes "de rua" dos clérigos não sejam vestes litúrgicas, publicamos esta postagem para tornar mais conhecida a expressão visual da hierarquia eclesiástica e dos ministérios da Igreja no hábito dos clérigos diocesanos.

Padres e Diáconos

O hábito talar dos clérigos seculares de rito romano é a batina. Ela que possui uma gola conhecida como colarinho romano ou clerical que consta de uma pequena abertura no tecido negro que deixa aparecer um pequeno quadrilátero branco ao centro. Segundo piedoso costume, a batina possui 5 botões em cada punho, lembrando as chagas de Cristo, com os 23 botões da frente, os botões da batina somam 33, idade em que Nosso Senhor teria sofrido Sua Gloriosa Paixão. Os botões da parte superior da manga foram abolidos.

Embora não seja obrigatório, a batina dos padres pode ter ainda uma peregrineta negra junto da batina.
 Completa a batina, ainda, a faixa. Antigamente, a batina dos clérigos possuia flocos na ponta, como se vê na figura abaixo.


Na atualidade, as faixas perderam os flocos, as pontas da faixa possuem agora franjas.

 Os padres usam também meias e sapatos pretos. Se se usa solidéu, deve ser preto.

 Monsenhores Capelães
Os Capelães de Sua Santidade, mais comum dos títulos de Monsenhor concedido pela Santa Sé, dá ao titular o direito do uso da batina negra com debruns, botões, abotoaduras e  forro violeta. Também podem usar faixa violeta.

Usam meias violetas ou pretas e sapatos pretos. Se se usa solidéu, este deve ser inteiramente preto.

Monsenhores Prelados de Honra e Protonotários
A esses graus superiores de monsenhorato se permite o uso de batina com debruns, botões, abotoaduras e forro vermelho. Porém a faixa permanece voleta, com frajas da mesma cor.


Assim como a outra classe de monsenhor, usam meias violetas e sapatos pretos. Porém não admite o uso de solidéu inteiramente violeta. Se se faz uso o solidéu pode ser preto com frisos na cor violeta.
Monsenhores desses graus são expressamente proibidos de usar peregrineta, provavelmente para evitar confusão com as batinas dos Bispos.

Arcebispos e Bispos
Aos arcebispos, bispos, prelados e demais prelados da ordem episcopal, o traje quotidiano compõe-se de batina com debruns, botões, abotoaduras e forro vermelhos. Diferenemtente do que alguns possam supor, não são apenas os cardeais que usam tais detalhes em vermelho. A batina possui peregineta negra com debruns vermelhos. Também faz parte das vestimentas dos bispos o solidéu, este sim, violeta e faixa violeta com frajas da mesma cor.


Os bispos usam ainda, sempre o anel episcopal no dedo anelar da mão direita e a cruz peitoral, que pode ser presa no terceiro botão da batina, sempre com a imagem do crucificado. Meias e sapatos como os monsenhores.

Cardeais
 Ao colégio de eleitores do Santo Padre, é concedido o privilégio do uso do vermelho. Assim, o traje diário dos cardeais consta da batina preta com debruns, botões, caseados e forro vermelho. Distintamente dos demais Bispos, também faixa vermelha com franjas da mesma cor. Os cardeais calçam meias vermelhas ou pretas e sapatos pretos. Também usam o anel cardinalício na mão direita e cruz peitoral. Solidéu vermelho.

Papa

O Santo Padre usa habitualmente a veste talar inteiramente branca; como parte integrante vai a peregrineta da mesma cor. Faixa  branca, com o brasão bordado nas duas pontas. É importante ressaltar que somente ao papa é dado usar o brasão junto da franja da batina, outros bispos são podem fazer tal uso. Como todas as batinas pós-conciliares, a faixa do papa não possui flocos, mas franjas simples. E, apesar de todas terem perdido também o dourado nas pontas, na batina do Sumo Pontífice mantem-se as franjas douradas. Solidéu branco.

 

O papa calça meias brancas e sapatos vermelhos:  os famosos múleos. Na atualidade, os múleos são sapatos de couro avermelhado simples sem marcar no couro ou fivelas.


O papa porta, ainda, sempre o anel de pescador do dedo anelar da mão direita e a cruz peitoral, presa no terceiro botão da batina.



       Outras vestes
      Alguns outros acessórios podem fazer parte da veste dos clérigos fora da liturgia. Entre eles temos agreca, que é uma espécie de capa com duas fileiras de botões à frente. É branca para o Sumo Pontífice.

      Negra para todos os demais.


        

      Outra peça que pode ser sobreposta à veste talar pontifícia é o tabarro ou mantel. Trata-se de uma capa, , que se põe diretamente sobre a batina ou ainda, combinada com a greca. O mantel pode possuir uma peregrineta. Na atualidade, é vermelho para o Santo Padre e preto para todos os demais. O mantel não pode possuir detalhes dourados, à excessão do pontifício.







       Quando o tabarro possuia cores diferentes para os clérigos, era comum usá-lo sobre as vestes corais, mormente nas procissões, com ele  sempre negro, isso caiu em desuso.


      Uma última veste clerical a ser usada fora das celebrações litúrgicas sobre a batina é o ferraiuolo. Diferentemente das demais, esta veste tem caráter de solenidade. É usada em ocasiões, como formaturas, seção solene em casas legislativas e cerimônicas de Estado. Outrora era obrigatória aos clérigos nas audiências com o Santo Padre. O ferraiuolo não possui peregrineta.
      Não faz parte das vestes do Santo Padre, é vermlho para os cardiais, violeta para Arcebispos, Bispos, Monsenhores Protonotários. Preto para os Monsenhores Prelados de Honra, Capelães e demais presbíteros e diáconos.








       

      Chapéus 

      Pode ser usado ainda junto das vestes ordinárias o barrete, exceto os cardeais que são proibidos de fazer uso do barrete cardinalício sem as vestes corais ou paramentos. Também se pode usar o capelo, que consta de um chapéu eclesiástico preto para todos os clérigos e vermelho para o Sumo Pontífice. O capelo pode ter, ainda, borlas relativas à posição hieraquica do clérigo: preto para padres, violeta para monsenhores, verde para Bispos e vermelho para os Cardeais.










      Batinas Tropicais
      Por concessão da Sé Apostólica, é permitido aos clérigos de rito romano que exercem seus ministérios em terras tropicais o uso de batinas que substituam o preto por outra cor clara, geralmente o branco, mantendo entretanto a cor dos debruns e demais ornamentos da batina. 






      7 comentários:

      1. que bom que o Papa Francisco acha tudo isso "carnaval"

        ResponderExcluir
      2. Então quer dizer que Pio XII, Beato João XXIII, Paulo VI, Beato João Paulo II e Bento XVI eram carnavalescos?? Legal, vc é católico??? Ou é um retardado que não sabe nada do magistério da Igreja??

        ResponderExcluir
        Respostas
        1. Isto é coisa do tempo da monarCHia. Haja Deus!

          Excluir
      3. Não vou nem responder pois pode ser contagioso, mas só para contar a Igreja é uma monarquia e mais ela sempre apoiou a monarquia!!!

        ResponderExcluir
      4. Quem muito se prende a aparências demonstra vazio interior. Ou, como diria um certo ditado: "Quando o palhaço é muito enfeitado é sinal de que o circo não é muito bom..."

        ResponderExcluir
        Respostas
        1. A partir de agora não vai mais ter anônimos aqui, quer falar mostre sua cara!!

          Excluir
      5. Hoje tá cheio de palhaço pelado também... palhaço pelado é também palhaço de cabeça vazia, que não entende nada do que o papa Francisco diz ou faz. Se o papa fosse contra o hábito talar, ele mesmo não o usaria. Sempre o usou, como padre, como bispo e agora como papa. O que torna uma pessoa interiormente vazia não é o fato de usar ou não usar roupa. É amar ou não amar a Deus e aos irmãos. Dispor-se ou não a servir e dar a vida pelo bem dos outros. Há uma multidão de santos e santas da Igreja que usaram as vestes próprias de seu estado de vida, e isto não diminuiu em nada seu compromisso com Deus e com os irmãos.

        ResponderExcluir